Home – SDGs for All

A project of the Non-profit International Press Syndicate Group with IDN as the Flagship Agency in partnership with Soka Gakkai International in consultative status with ECOSOC

América Latina e Caraíbas Falta de Acesso a uma Dieta Saudável

share
tweet
pin it
share
share

Por Rodrigo Pérez

SANTIAGO, Chile (IDN) – Cerca de 131,3 milhões na América Latina e Caraíbas tiveram de renunciar a alimentos nutritivos em 2020 devido ao custo médio diário mais elevado de dietas saudáveis na região em comparação com as de outras regiões do mundo. De acordo com o novo relatório das Nações Unidas Overview of Food Security and Nutrition 2022, em 2019 o número ascendia a cerca de 123 milhões.

Enquanto 22,5 por cento da população da América Latina e das Caraíbas não se podia permitir uma dieta saudável, nas Caraíbas havia 52 por cento; na Mesoamérica, 27,8 por cento; e na América do Sul, 18,4 por cento.

Igualmente preocupante é que entre 2019 e 2021, o número de pessoas famintas na região aumentou em 13,2 milhões, atingindo 56,5 milhões em 2021. A América do Sul registou o maior aumento do número de pessoas com fome. Entre 2019 e 2021, a fome afectou 7,9% da população na América do Sul, 8,4% na Mesoamérica, e 16,4% nas Caraíbas.

A Directora da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) Carissa F. Etienne disse que a lição aprendida é “redobrar esforços para combater a desnutrição em todas as suas formas”. Isto implica a necessidade de promover políticas públicas para criar ambientes alimentares saudáveis, “eliminar as gorduras trans produzidas industrialmente, implementar rótulos de aviso front-end, regular a publicidade de alimentos não saudáveis, tributar bebidas açucaradas, e apoiar a alimentação saudável e a actividade física nas escolas”.

“Compreender os factores que determinam as más práticas alimentares é fundamental para encontrar soluções e assegurar que todos na região tenham acesso a alimentos saudáveis”, acrescentou ela.

Por exemplo, os países com maiores níveis de pobreza e desigualdade tendem a ter dificuldades mais significativas no acesso a uma dieta saudável, que está directamente associada a uma maior prevalência da fome, desnutrição crónica em rapazes e raparigas, e anemia nas mulheres com idades compreendidas entre os 15 e os 49 anos.

O relatório da ONU conclui que a incapacidade de pagar uma dieta saudável está relacionada com o nível de rendimento de um país, e por sua vez com a incidência da pobreza, e o nível de desigualdade.

O aumento dos preços internacionais dos alimentos registado desde 2020, exacerbado após o início do conflito na Ucrânia, e um aumento regional da inflação alimentar acima do nível geral, aumentaram as dificuldades de acesso a uma dieta saudável, nota o relatório da ONU.

“Não há nenhuma política individual que possa resolver este problema de forma independente. Os mecanismos de coordenação nacionais e regionais precisam de ser reforçados para responder à fome e desnutrição”, disse Mario Lubetkin, Director Assistente e Representante Regional para a América Latina e Caraíbas, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), com sede em Roma.

Acrescentou: “Para contribuir para a acessibilidade de dietas saudáveis, é necessário criar incentivos para a diversificação da produção de alimentos nutritivos destinados principalmente à agricultura familiar e aos pequenos produtores, tomar medidas para a transparência dos preços destes alimentos nos mercados e no comércio, e acções como as transferências de dinheiro e a melhoria dos menus escolares”.

Além disso, as políticas comerciais e de mercado podem desempenhar um papel fundamental na melhoria da segurança alimentar e nutricional. Uma maior transparência e eficácia melhoram o comércio agro-alimentar inter-regional substituindo a incerteza pela previsibilidade e estabilidade do mercado.

“Estamos a falar da região do mundo com a dieta saudável mais cara, que afecta particularmente as populações vulneráveis – pequenos agricultores, mulheres rurais e populações indígenas e afrodescendentes – que afectam uma maior percentagem dos seus rendimentos à compra de alimentos”, observou Rossana Polastri, Directora Regional do Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA), também com sede em Roma.

“Para inverter esta situação, devemos promover soluções inovadoras que diversificem a produção e aumentem a oferta de alimentos saudáveis, e que melhorem o acesso dos pequenos produtores aos mercados e aos alimentos de qualidade, incluindo soluções digitais que articulem a oferta e a procura de alimentos”, acrescentou Polastri.

O relatório também descreve como alguns programas de protecção social sensíveis à nutrição têm funcionado e são essenciais para apoiar as dietas da população mais vulnerável, particularmente em períodos de crise.

“A insegurança alimentar continuará a aumentar devido à crise dos preços dos alimentos e dos combustíveis causada pelo conflito na Ucrânia e pelas consequências da COVID-19”, disse Lola Castro, Directora Regional do Programa Alimentar Mundial (PAM) da ONU baseado em Roma.

“Temos de agir agora, mas como o podemos fazer? Apoiar os governos a expandir as redes de protecção social porque a pandemia demonstrou mais uma vez que a protecção social é útil para melhorar a acessibilidade de uma dieta saudável, evitando que crises como esta atinjam ainda mais as populações afectadas”, acrescentou ela.

Outras políticas alimentares, tais como a rotulagem nutricional, o subsídio de alimentos nutritivos e a tributação de alimentos não saudáveis ou não nutritivos que não contribuem para dietas saudáveis, se bem concebidas, podem melhorar a acessibilidade económica de dietas saudáveis e prevenir condições debilitantes e doenças relacionadas com o excesso de peso e a obesidade.

“Para que as crianças cresçam saudáveis, não é apenas urgente garantir a disponibilidade de alimentos nutritivos a preços acessíveis. É também necessário desenvolver políticas públicas que garantam uma nutrição adequada, para além do aconselhamento nutricional, concentrando as acções nas populações mais vulneráveis”, disse Garry Conelly, Director Regional da UNICEF para a América Latina e as Caraíbas.

O panorama sócio-económico da América Latina e das Caraíbas não é encorajador. Os grupos populacionais mais afectados são as crianças com menos de cinco anos e as mulheres, que sofrem de uma maior prevalência de insegurança alimentar do que os homens. [IDN-InDepthNews – 13 de Fevereiro de 2023].

Crédito de imagem: OPAS

NEWSLETTER

STRIVING

MAPTING

PARTNERS

Scroll to Top