NOTE! This site uses cookies and similar technologies.

If you not change browser settings, you agree to it.

I understand

SDGs for All

SDGs for All is a joint media project of the global news organization International Press Syndicate (INPS) and the lay Buddhist network Soka Gakkai International (SGI). It aims to promote the Sustainable Development Goals (SDGs), which are at the heart of the 2030 Agenda for Sustainable Development, a comprehensive, far-reaching and people-centred set of universal and transformative goals and targets. It offers in-depth news and analyses of local, national, regional and global action for people, planet and prosperity. This project website is also a reference point for discussions, decisions and substantive actions related to 17 goals and 169 targets to move the world onto a sustainable and resilient path.

Alcançar a meta de ajuda ao desenvolvimento da ONU permanece uma tarefa árdua

Análise por Jaya Ramachandran

PARIS | NEW YORK (IDN) – Revitalizar a parceria global é a Meta 17 da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável - adotada pelos líderes mundiais em Setembro de 2015, em uma Cúpula histórica na sede da ONU em Nova York.

Ela exorta os países desenvolvidos a cumprirem plenamente os seus compromissos de ajuda pública ao desenvolvimento (APD), incluindo o compromisso de alcançar a meta de 0,7 por cento do Rendimento Nacional Bruto (RNB) dado como APD aos países em desenvolvimento, e 0,15 a 0,20 por cento para os países menos desenvolvidos.

"Os provedores de APD são encorajados a considerar a definição de uma meta de fornecer pelo menos 0,20 por cento da APD/RNB para os países menos desenvolvidos", diz um dos objetivos das 17 Metas aprovadas pelos líderes mundiais.

A Agenda entrou em vigor em 1º de Janeiro de 2016. Mas os números de 2015 divulgados pelo Comitê de Ajuda ao Desenvolvimento (CAD) da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), composta por 34 países, indicam que seria uma tarefa difícil alcançar um importante objetivo da meta 17 nos próximos 15 anos.

Medido em termos reais - corrigido pela inflação e considerando a forte desvalorização em muitas moedas de países do CAD em relação ao dólar – a APD foi de 83% desde 2000, quando foram acordados os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.

Mas, em 2015, apenas seis dos 28 países do CAD - Dinamarca, Luxemburgo, Países Baixos, Noruega, Suécia e Reino Unido – alcançaram a meta das Nações Unidas de manter a APD igual ou superior a 0,7% do RNB. A  APD líquida como percentagem do RNB foi de 0,30% em 2015, no mesmo nível de 2014.

De acordo com dados oficiais recolhidos pelo Comitê de Ajuda ao Desenvolvimento (CAD), da OCDE, a APD aumentou em 22 países em 2015, com os maiores aumentos na Grécia, Suécia e Alemanha. Seis países relataram menor APD, com as quedas mais acentuadas em Portugal e Austrália.

Entre os vários países não membros do CAD que relatam seus fluxos de ajuda para o órgão da OCDE, os Emirados Árabes Unidos apresentaram a maior relação APD/RNB em 2015, 1,09%.

A APD totalizou 131,6 bilhões  de dólares em 2015, significando um aumento de 6,9% em relação a 2014, em termos reais, enquanto a ajuda gasta com refugiados nos países anfitriões mais do que duplicou em termos reais, para US$ 12 bilhões. Excluindo os fundos gastos com refugiados, a ajuda foi de 1,7% em termos reais.

Os fundos gastos em alojamento ou processamento de refugiados em países doadores responderam por 9,1% da APD em 2015, acima dos 4,8% em 2014, quando os custos com refugiados dentro do país totalizaram USD 6,6 bilhões. O aumento dos custos com refugiados não consumiu de forma significativa os programas de desenvolvimento, com cerca de metade dos países doadores utilizando recursos de fora de seus orçamentos de ajuda para cobrir os custos de refugiados, de acordo com as conclusões do CAD.

"Os países tiveram que encontrar grandes somas para cobrir os custos de uma histórica crise de refugiados na Europa, e a maioria tem até agora evitado desviar dinheiro de programas de desenvolvimento. Esses esforços devem continuar. Saudamos também o fato de que mais ajuda está sendo fornecida para os países mais pobres ", disse o secretário-geral da OCDE, Angel Gurría.

"Os governos devem assegurar que a ajuda ao desenvolvimento continue aumentando. Eles também precisam desenvolver opções de longo prazo para atender os custos de refugiados futuros e a integração dos refugiados em nossas sociedades, assegurando ao mesmo tempo que a APD atinja os países e as pessoas que mais precisam ", acrescentou Gurria.

Um número sem precedentes de 1,5 milhão de refugiados pediu asilo nos países da OCDE em 2015, mais de um milhão na Europa. As regras do CAD permitem que os países membros contabilizem certas despesas relacionadas com refugiados como APD, pelo primeiro ano após a sua chegada.

Três países - Austrália, Coreia e Luxemburgo - não contabilizam os custos com refugiados como APD. Outros - Áustria, Grécia, Itália, Países Baixos e Suécia - viram os custos com refugiados responderem por mais de 20% da sua APD em 2015.

Os dados de 2015 mostram que a ajuda bilateral aos países mais pobres aumentou 4% em termos reais, em linha com os compromissos dos doadores do CAD de reverter quedas recentes. A ajuda bilateral, ficando em torno de dois terços da APD, é a ajuda fornecida por um país para outro país. Uma pesquisa de planos de gastos de doadores até 2019 sugere que o fluxo para os países mais pobres continuará subindo.

A ajuda humanitária aumentou 11% em termos reais para US$ 13,6 bilhões em 2015. Os subsídios para alívio da dívida líquida caíram 36% em termos reais e representavam 0,2% da APD total líquida em 2015, em comparação com cerca de 20% em 2005 e 2006, quando a redução da dívida estava em seu nível mais alto, devido a medidas excepcionais para o Iraque e a Nigéria.

As estimativas preliminares mostram que dentro da ajuda bilateral líquida, os subsídios aumentaram 9% em termos reais desde 2014, no entanto, excluindo os subsídios com custos de refugiados dentro do país, aumentaram 0,4%. Fluxos líquidos não subvencionados aumentaram 26% em termos reais.

A ajuda bilateral ao grupo dos países menos desenvolvidos foi de US$ 25 bilhões, um aumento de 4% em termos reais em relação a 2014, marcando assim uma ligeira retomada da ajuda após vários anos de diminuição dos fluxos para este grupo de países.

A APD bilateral para África Subsaariana foi de US $ 24 bilhões, representando um aumento de 2% em termos reais em relação a 2014; ela também aumentou para o continente Africano como um todo em 1%, em termos reais, para US$ 27 bilhões.

APD líquida aumentou em 22 países, com os maiores aumentos registrados na Áustria, Canadá, República Checa, Alemanha, Grécia, Islândia, Itália, Japão, Holanda, Polônia, República Eslovaca, Eslovênia e Suécia. Para alguns, os grandes aumentos foram devidos a custos com refugiados dentro do país. Excluindo estes custos, a APD líquida ainda aumentou em vinte países. Por outro lado, a APD total líquida caiu em seis países, com as maiores quedas registradas na Austrália e em Portugal.

Países do G7 - Grã-Bretanha, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão e os EUA - forneceram 72% do total líquido de APD do CAD em 2015, e os países do CAD-UE forneceram 56%.

APD representa mais de dois terços do financiamento externo para os países menos desenvolvidos e o CAD está pressionando para que possa ser utilizada mais como uma alavanca para gerar investimento privado e receitas fiscais nacionais nos países pobres. O CAD também está tentando clarificar as regras pelas quais os custos com refugiados possam ser contabilizados como APD.

"É preciso lembrar que a melhor maneira de alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e evitar futuras crises de refugiados é continuar o ritmo atual dos fluxos de ajuda, especialmente para os países mais necessitados e mais frágeis", disse Erik Solheim, Presidente do CAD.

"Eu estou satisfeito que nós tenhamos invertido os declínios recentes na ajuda aos países mais pobres e que a maioria dos países não esteja gastando grandes quantidades de sua APD com o acolhimento de refugiados", Solheim acrescentou. [IDN-InDepthNews - 16 de abril de 2016]

IDN é o carro-chefe da International Press Syndicate.

Newsletter

Striving

Striving for People Planet and Peace 2018

Mapting

MAPTING

Fostering Global Citizenship

Partners

 


Please publish modules in offcanvas position.