NOTE! This site uses cookies and similar technologies.

If you not change browser settings, you agree to it.

I understand

Reporting the underreported about the plan of action for People, Planet and Prosperity, and efforts to make the promise of the SDGs a reality.
A project of the Non-profit International Press Syndicate Group with IDN as the Flagship Agency in partnership with Soka Gakkai International in consultative status with ECOSOC.


SGI Soka Gakkai International

 

Relatório de campanha feminista da ONU quer que líder da ONU passe da palavra à ação

Por J C Suresh

WASHINGTON, D.C. (IDN) — “Menos conversa e mais ação…. Todas as palavras são como plumas ao vento”, comentou uma fonte do relatório da Campanha Feminista da ONU sobre o compromisso do secretário-geral da ONU, António Guterres, com a igualdade de gênero em seu primeiro mandato de seus cinco anos.

De fato, fontes importantes relataram que os funcionários continuam desiludidos com a “cultura machista de impunidade” da ONU, desconfiam profundamente dos mecanismos de denúncia e justiça no sistema e temem retaliações. Além disso, o processo a portas fechadas para a seleção da nova Diretora Executiva da ONU Mulheres, Sima Sami Bahous, é considerado um grande passo em falso por parte do Secretário-Geral no sentido de uma transformação feminista.

A campanha espera que o líder da ONU pressione por uma agenda mais abrangente e progressiva durante seu segundo mandato, de 2022 a 2026. A agenda deveria centralizar na interseccionalidade, defender os direitos humanos, agir em relação a mudanças estruturais e sistêmicas e promover gênero em todo o sistema da ONU

O relatório da Campanha sobre o compromisso de Guterres com a igualdade de gênero no quinto ano de seu primeiro mandato observa que, após uma moderada melhoria em 2020, o conceito do diretor da ONU caiu de "B" para "B-" (8,0 para 7,5) em 2021.

A Campanha Feminista da ONU  elaborou uma visão feminista para as Nações Unidas em 2016 e classificou o Secretário-Geral por seu desempenho em relação a essa visão nos últimos cinco anos. Desde 2017, o relatório mediu até que ponto o Secretário-Geral avançou em seis áreas prioritárias para um sistema da ONU com maior igualdade de gênero.

  1. Articular e implementar uma agenda de liderança feminista
  2. Garantir a implementação feminista e a responsabilização pelos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)
  3. Financiamento para a igualdade de gênero
  4. Proteções de paridade e direitos
  5. Habilitar uma transformação feminista para a CSW e a ONU Mulheres
  6. Promover a liberdade de informação no sistema da ONU .

"O relatório feminista da ONU demonstra como a análise cuidadosa e o escrutínio coletivo e atento podem traçar um caminho para uma ONU mais feminista. O relatório tem um papel importante para a sociedade civil, elevando suas vozes e responsabilizando a instituição e sua liderança por igualdade de gênero significativa em suas fileiras e em seu trabalho", disse Sarah Gammage, revisora ​​de relatórios e diretora de políticas para a América Latina do The Nature Conservancy.

Este ano, o desempenho do Secretário-Geral decaiu consideravelmente em quatro das seis prioridades estabelecidas pela Campanha: (1) Articular e implementar uma agenda de liderança feminista (2) Garantir a implementação feminista e responsabilidade pelos ODS (4) Paridade e proteção de direitos (5) Permitir uma transformação feminista para CSW e ONU Mulheres. Enquanto isso, houve alguma melhoria nas prioridades (3) Financiamento para a igualdade de gênero e (6) Promover a liberdade de informação no sistema da ONU .

Os autores do relatório da Campanha descobriram que temas abrangentes incluíam a falta de responsabilização sistêmica, transparência inconsistente com informações e acesso, e uma compreensão ou pressão limitada pela interseccionalidade nas iniciativas de gênero.

Em “Articulação e Implementação de uma Agenda de Liderança Feminista”, o Secretário-Geral fez bem em reiterar a importância do gênero. No entanto, seus apelos são desprovidos de compromissos acionáveis ​​ou responsabilização além do progresso em direção à paridade de gênero. Ele usa uma linguagem que priorizou a proteção das mulheres, em oposição à sua autonomia, participação e consulta ativa no projeto e implementação de soluções.

Além disso, em grande parte dos discursos de Guterres em 2021 faltaram referências a meninas adolescentes, direitos LGBTQIA+, deficiências e assédio. A Campanha quer que o Secretário-Geral aprimore sua análise feminista interseccional e promova uma compreensão da interseccionalidade em todo o sistema da ONU, para que este se torne uma consideração fundamental nas políticas, programas e decisões de liderança.

As conquistas atuais para a integração de gênero em todos os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) – metas estabelecidas pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 2015 – foram mínimas, na melhor das hipóteses, e a implementação e responsabilização em relação ao ODS 5, que se concentra especificamente no gênero igualdade, tem sido limitada, observa o Campanha.

Dos 18 indicadores usados ​​para coletar dados sobre o progresso em nível de país no sentido ao ODS 5, apenas dois apresentam dados suficientes para avaliar o progresso ao longo do tempo em todos os países. De acordo com o relatório, o Secretário-Geral deve pressionar os estados-membros a acelerar o progresso para coletar os dados necessários para rastrear todos os indicadores dos ODS.

Nos tópicos de Proteção de Direitos e Transformação Feminista, para a CSW (Comissão sobre a Situação da Mulher) e ONU Mulheres, houve uma preocupante falta de prestação de contas e transparência em 2021. O progresso estagnou na resposta ao assédio, exploração e abuso sexual no sistema da ONU.

A pontuação de Guterres subiu em Financiamento para Igualdade de Gênero e Liberdade de Informação devido à aplicação do sistema de marcadores de igualdade de gênero a fundos adicionais e esforços coletivos para promover acesso a dados, recursos e reuniões por meio de plataformas virtuais.

"Nossa análise de 2021 mostra que, embora o Secretário-Geral Guterres tenha feito progressos, muito mais precisa ser feito para promover um sistema verdadeiramente transformador, progressista e feminista na ONU. Esperamos que, em seu segundo mandato, Guterres implemente políticas que promovam ainda mais a igualdade de gênero, a interseccionalidade e o acesso da sociedade civil, e seja um defensor inequívoco dos direitos humanos", disse Spogmay Ahmed, defensora sênior de políticas globais do Centro Internacional de Pesquisa sobre Mulheres.  [IDN-InDepthNews – 09 de março de 2022]

Crédito da imagem: “Campanha Você Move”

Newsletter

Striving

Striving for People Planet and Peace 2021

Mapting

MAPTING

Partners

SDG Media Compact


Please publish modules in offcanvas position.