NOTE! This site uses cookies and similar technologies.

If you not change browser settings, you agree to it.

I understand

Reporting the underreported about the plan of action for People, Planet and Prosperity, and efforts to make the promise of the SDGs a reality.
A project of the Non-profit International Press Syndicate Group with IDN as the Flagship Agency in partnership with Soka Gakkai International in consultative status with ECOSOC.


SGI Soka Gakkai International

 

Austrália: 40 Anos de Forte Crescimento do Mercado de Ambientalistas

Por Kalinga Seneviratne

CHANNON (IDN) – No apogeu do movimento hippie no Ocidente, em 1976, a tradicional aldeia de agricultores situada neste cenário era um campo de batalha entre madeireiros e ambientalistas que viajaram de toda a Austrália para impedirem o desmatamento da selva tropical de Terania Creek. Esta foi a primeira manifestação de ação direta na Austrália.  

Muitos dos ambientalistas decidiram estabelecer-se na região, comprando terrenos agrícolas baratos e estabelecendo comunidades com uma filosofia de "voltar à terra".    

“Mudei-me para cá na década de 1970 com o meu marido para levar um estilo de vida precário e autossuficiente. Assim que chegámos, tomámos conhecimento do desmatamento das florestas tropicais de Terania Creek. Lutámos durante muitos anos para proteger esta floresta e outras florestas tropicais”, diz Nan Nicholson, uma botânica especializada em floresta tropical, que viveu em The Channon mais de 40 anos e publicou muitos livros sobre plantas e ervas de florestas tropicais.

São os recém-chegados, como os Nicholsons, que se estabeleceram nas aldeias das redondezas, incluindo artesãos e madeireiros, que iniciaram um mercado tradicional de aldeia num pequeno salão aqui, onde podiam partilhar e trocar produtos. Um mercado com uma ética estrita de "fazer, cozer ou cultivar". Após 44 anos, este mercado mensal continua a crescer, com mais de 200 proprietários de bancas e entre 2000 e 3000 visitantes.

“Este mercado é definitivamente uma parte da nossa cultura local”, disse Chris McFadden, secretário do comité de administração do mercado, ao IDN. “Oferece às pessoas oportunidades de emprego e de venda de produtos, incluindo criações artísticas”.

O Mercado de Artesanato de Channon, realizado no segundo domingo de cada mês, apoia centenas de grupos comunitários, pequenas empresas e indivíduos. O mercado foi o local para reuniões da comunidade de ativistas ambientais há quatro décadas e, atualmente, ainda apoia essa atividade. Na verdade, quando falou com o IDN, Nicholson estava a administrar uma banca que promovia uma nova campanha ambiental para impedir a construção de uma barragem planeada para ser construída nas proximidades.

Devido à sua crescente popularidade, o mercado tornou-se demasiado grande para o Channon Hall e mudou-se para o belo Coronation Park para permitir que as pessoas desfrutassem de uma experiência de mercado ao ar livre. É administrado por um Comité de Gestão composto por nove voluntários e um número de funcionários remunerados.

McFadden disse que o terreno foi doado à aldeia por um proprietário de terras local, e que agora é utilizado pelo conselho local como um campo de críquete e um parque recreativo. “Somos uma organização comunitária sem fins lucrativos, não fazemos parte do conselho”, explicou McFadden. “Os proprietários das bancas pagam uma pequena taxa e fazem um seguro”. Com o dinheiro obtido dessa taxa, foi recentemente construído um segundo bloco de trabalho.

Embora o mercado de Channon tenha ido para além das suas dimensões iniciais, o seu espírito permaneceu inalterado e tem a reputação de ser um dos mercados mais vibrantes da Austrália. Muitas das bancas vendem produtos de agricultores locais e plantas das suas estufas, artesanato local e também existem muitas bancas de comida administradas por pessoas das comunidades. Algumas bancas vendem artigos importados, como vestidos da Índia e da Tailândia, ou artesanato Maori da Nova Zelândia e Perú.

Quando questionado sobre como os últimos produtos se encaixam no lema de "fazer, cozer ou cultivar", McFadden disse: “Depois de nos mudarmos para o campo de críquete e o mercado se tornar cada vez maior, passou a haver uma maior diversidade no que as pessoas vendem, mas ainda é um mercado de artesanato, independentemente do que as pessoas vendam. Existem alguns produtos importados, mas não encorajamos esse tipo de venda.”

Além de arte e produtos incríveis, os visitantes têm a possibilidade de desfrutar de um pouco da música local com a "banda do dia" a tocar no palco principal e todos os tipos de músicos improvisados dispersos pelo parque. Se ficar até ao fim do mercado, poderá desfrutar da famosa "Dança do Tambor", em que as pessoas dançam ao som de uma variedade de tambores.

Porém, isto não ocorreu este mês porque o mercado esteve fechado durante 4 meses devido aos confinamentos da Covid-19 e aos regulamentos de distanciamento social ainda em vigor que por enquanto proíbem esta atividade.

O mercado de Channon deu origem a uma onda de mercados de domingo em toda a região conhecida como Northern Rivers, que inclui áreas turísticas ao longo da costa norte de New South Wales. Muitos destes mercados ocorrem durante o mês aos domingos e sábados. Assim, alguns proprietários de bancas vão de um mercado para outro para ganharem a vida ao longo do mês.

Um desses proprietários de bancas é Adrienne Hmelnitsky, da aldeia de Urunga, a cerca de 3 horas de carro daqui. Produz o que chamou de "Sunlighters", feitos com plásticos coloridos, que dão um efeito de vitral quando se colam a janelas de vidro. “Sou uma artista e tudo isto é feito à mão”, disse ao IDN, apontando os produtos coloridos e brilhantes nas paredes transparentes da sua barraca. “Esta é a quarta vez que estou aqui e participo numa série de feiras em Northern Rivers”. Também salientou que os seus produtos são feitos de materiais não tóxicos e reutilizáveis.

Um artista local que corta pedras de várias cores e fabrica joias e colares utiliza este mercado para vender os seus produtos. “Compro pedras em bruto, corto-as e dou um polimento para chegar a este resultado”, explica. “Vivo numa carrinha e não preciso de gastar dinheiro com uma habitação. Vendo os meus produtos no mercado”. A artista de seu nome Sam vende a maioria dos seus colares por 50-150 dólares por peça.

John Arklan é um sikh-australiano de terceira geração que em tempos foi produtor de bananas. Conduz três horas desde a sua casa em Woolgoolga na sua cozinha móvel de comida indiana para vender frango com manteiga e curry dhal com arroz e naan. “Este é um cenário espetacular”, disse ao IDN. “Gosto do ambiente e vendo muita comida. As pessoas gostam de experimentar coisas novas e são diferentes (na sua maneira de verem as coisas).”

O governo reconhece a contribuição única que este mercado tem dado para o povo e a cultura da região, de modo que incluiu os funcionários no programa de "manutenção de empregos" que paga às empresas para manterem os seus funcionários na folha de pagamentos enquanto os confinamentos da Covid-19 estão em vigor.

“Quando estivemos fechados, os nossos funcionários ajudaram a melhorar as instalações, pintando os corrimões e as paredes das casas de banho”, disse McFadden. Também acrescentou que começaram a desenvolver um mercado online para os proprietários de bancas da comunidade local, mas que está a ser dificultado pelo custo do transporte dos produtos.

“Milhares de pessoas vêm até aqui todos os meses [novembro], mesmo de lugares distantes como Brisbane”, diz McFadden. “Mas tentamos limitar os proprietários de bancas a um raio de 100 km. Queremos dar a oportunidade aos agricultores e artistas locais de venderem diretamente (ao público)." [IDN-InDepthNews – 17 de novembro de 2020]

Foto: Mercado de Channon. CC BY-SA 3.0

Newsletter

Striving

Striving for People Planet and Peace 2021

Mapting

MAPTING

Partners

SDG Media Compact


Please publish modules in offcanvas position.