NOTE! This site uses cookies and similar technologies.

If you not change browser settings, you agree to it.

I understand

Reporting the underreported about the plan of action for People, Planet and Prosperity, and efforts to make the promise of the SDGs a reality.
A project of the Non-profit International Press Syndicate Group with IDN as the Flagship Agency in partnership with Soka Gakkai International in consultative status with ECOSOC.


SGI Soka Gakkai International

 

A ONU aproveita o famoso Festival de Literatura para alcançar Objetivos Globais

Por Devinder Kumar

JAPIPUR (IDN) - Como parte do programa Década de Ação para acelerar soluções sustentáveis para todos os maiores desafios do mundo, desde a pobreza e o género às mudanças climáticas, desigualdade e redução do défice financeiro, as Nações Unidas utilizaram uma nova ferramenta no final de janeiro: o maior festival de literatura do mundo na eminente “cidade rosa” da Índia em Jaipur, capital do cénico, quase mágico estado indiano do Rajastão. É conhecida como a Cidade Rosa devido à cor da pedra usada em muitos dos seus gloriosos palácios e monumentos históricos.

O festival recebeu a Coordenadora Residente da ONU, Renata Dessallien, no dia 27 de janeiro, que disse aos participantes de uma sessão especial sobre a emergência climática que a Organização está a trabalhar para diminuir o ritmo das mudanças climáticas prejudiciais. Questionada se a ONU está a fazer o suficiente para resolver a crise climática, afirmou que a Organização não poderia agir como uma "força policial global".

"Nós também não somos um Governo global, portanto há limites, aos quais a ONU é mandatada e sobre o que é capaz de fazer", explicou. De facto, acrescentou, "estamos a impor os limites em muitas frentes". A melhor maneira de descrever as Nações Unidas é que somos o “persuasor do mundo”, persuadindo as pessoas a fazerem o que é fundamentalmente certo".

Há amplas evidências de que, desde a mudança dos padrões climáticos que ameaçam a produção de alimentos até à elevação do nível do mar que aumenta o risco de inundações catastróficas, os impactos das mudanças climáticas são globais e sem precedentes em escala. Estima-se que, provavelmente, mais de 600 milhões de Indianos irão sofrer o impacto negativo das mudanças climáticas se não mudarmos o rumo agora.

Na sessão foram ouvidas algumas histórias surpreendentes de pessoas que vivem na região de Ladakh, na Índia, e que são gravemente afetadas pela crise climática. Sonam Wangchuk, Inovador da Energia Solar, Educador e Diretor-geral do Instituto Himalaia de Alternativas em Ladakh, referiu: "Nas montanhas, através dos Himalaias, particularmente em Ladakh, os nossos glaciares estão a derreter e embora sempre tenhamos tido escassez de água, agora estamos a ter secas na época da Primavera. Conheço pelo menos duas aldeias que as pessoas tiveram que abandonar totalmente devido à falta de água (escassez). Estas secas são agora acompanhadas de cheias repentinas no Outono".

Em 2006, enquanto fazia voluntariado num desses vilarejos que foi inundado, levando a muitas mortes, tinha perguntado aos aldeões quando ocorrera a última inundação repentina, mas "não se lembravam". A mesma aldeia teve outra inundação repentina em 2010, depois em 2015 e depois outra em 2017. Então agora está a tornar-se bastante frequente."

Apelou às pessoas que vivem nas planícies e nas cidades para serem responsáveis e "viverem de forma simples", para que as pessoas das montanhas, por sua vez, possam "simplesmente viver".

A editora chefe da revista online PARI, Namita Waikar, que relata as histórias acerca de como as populações vulneráveis em toda a Índia estão a ser mais afetadas pelas mudanças climáticas para o próximo Relatório de Desenvolvimento Humano do PNUD, acompanhou outros relatos em primeira mão relativos à forma como a vida está a ser negativamente afetada nas cidades costeiras.

 “Nas áreas rurais, existem comunidades em Tamil Nadu, onde os agricultores de algas marinhas são forçados a mudar os meios de subsistência devido ao rápido desaparecimento das mesmas. De igual forma, em lugares como Deli, as comunidades pesqueiras do interior estão a pescar peixes mortos. O que me disseram foi de partir o coração”, afirmou Waikar.

O pescador disse-lhe que, se deitarem a rede à noite, só apanham o "mais fresco dos peixes mortos" da manhã. Manter o esgoto e o lixo industrial fora dos rios e áreas costeiras é uma prioridade urgente, afirmou. "Outra pescadora referiu que alguns dos peixes que pescavam antes agora só podem ser vistos no canal Discovery. Isso explica claramente a gravidade da situação".

Escritora, educadora e cineasta, Shubhangi Swarup, que está a explorar a ecologia na sua ficção, explicou como está a integrar os temas das mudanças climáticas no seu trabalho. "As nossas histórias tornaram-se centradas no ser humano, obcecadas e odiosas. Não temos a valorização da natureza e do universo nas nossas histórias.

“Então, tentei escrever um romance em que uma falha geológica é o fio da narrativa. Começa com as ilhas Andaman, vai para Mianmar, depois para o Nepal e termina em Ladakh. Enquanto contava a história, percebi como as fronteiras políticas são ridículas quando se trata de resolver problemas locais ”, afirmou.

O ativista da sociedade civil, Apoorva Oza, reiterou a necessidade de tirar considerações de lucro do debate sobre as mudanças climáticas: "Existe um foco excessivo em medir tudo em termos económicos. Quando escrevo uma proposta, perguntam-me se irei duplicar o rendimento dos agricultores. Tudo o que posso dizer é que eles protegem a natureza, sustentam o meio ambiente e não exploram demasiado as águas subterrâneas. Mas não posso garantir que possa dobrar os seus rendimentos. Apenas posso garantir o progresso dos mesmos.

A sessão teve uma reviravolta sinistra quando a eminente Atriz de Bollywood e Advogada da ONU para o Desenvolvimento Sustentável, Dia Mirza interpelou a plateia e perguntou: “Você tem tempo? Nós apenas temos uma década. Escute as mulheres, escute as mães, escute as crianças. E se não entende de ciência, observe a natureza.

A mensagem foi clara: todos são responsáveis pela criação de um mundo mais sustentável do ponto de vista ambiental e o setor artístico e cultural não é exceção.

Como Moderador, Sameer Saran concluiu apropriadamente: “Visto que este festival é frequentado por literatos, surgem histórias de tais lugares. Se a mudança climática se tornar parte dessas histórias, seremos inspirados a tomar melhores medidas para mitigar a mudança climática. As histórias que contamos sobre nós próprios definem as nossas ações. E se as nossas histórias forem verdes, provavelmente o nosso futuro também será verde e próspero.

Celebrado como o "maior espetáculo literário da Terra", o Festival de Literatura de Jaipur, que dura cinco dias, atrai mais de 400.000 amantes de livros; cerca de 2.000 palestrantes abordando mais de 200 sessões; e autores de 20 países diferentes. Os livros em discussão estão escritos em mais de duas dúzias de idiomas.

O 13.º ano do Festival de Literatura de Jaipur assistiu a uma série de grandes sucessos literários, incluindo o Prémio Nobel Abhijit Banerjee, o Prémio Pulitzer Forrest Gander, a jornalista Christina Lamb, a jornalista nova-iorquina Dexter Filkins, a vencedora do prémio Man Booker Howard Jacobson, Elizabeth Gilbert e escritores indianos populares como Shashi Tharoor e Javed Akhtar que se envolveram em ideias, debates e diálogos. [IDN-InDepthNews - 04 de fevereiro de 2020]

Foto: A sessão sobre emergência climática no Festival de Literatura de Jaipur. (Da esquerda para a direita Renata Dessallien, coordenadora residente da ONU na Índia; Namita Waikar, editora-chefe do jornal online PARI; Shubhangi Swarup, escritora e cineasta; Dia Mirza, atriz e advogada da ONU para o desenvolvimento sustentável. Crédito: ONU Índia / Yangerla Jamir.

O IDN é a agência principal do Sindicato de Imprensa Internacional.

Newsletter

Striving

Striving for People Planet and Peace 2020

Mapting

MAPTING

Partners

SDG Media Compact


Please publish modules in offcanvas position.